Secretário garante que Navega São Paulo continua em São Vicente

Projeto é uma ação social que utiliza os esportes náuticos do remo, vela e canoagem como ferramenta de inclusão social para pessoas de qualquer idade.

Fonte: Diário do Litoral

Hoje seria o último dia de aula do Projeto Navega São Paulo, em São Vicente. A notícia que o contrato de um ano estava chegando ao fim sem previsão de ser renovado por falta de verba e patrocinadores abateu os cerca de 50 alunos que fazem aula de vela. Porém, o secretário adjunto de Esportes da cidade, José Renato Borges, o Mosquito, garantiu que o projeto será mantido pela prefeitura.

Ele explicou que o pessoal do Clube NAMAN, fundado em São Vicente por um grupo de esportistas náuticos, é quem busca captar recursos e patrocinadores através da Lei de Incentivo ao Esporte para manter o projeto, mas como este processo é demorado, não é a primeira vez que a vigência do contrato acaba antes que a verba seja conseguida.

“Quando o Lars Grael (idealizador do Navega São Paulo) era secretário de Esportes, o governo disponibilizava a verba, mas desde que ele saiu as cidades que têm interesse em continuar oferecendo as aulas precisam ver formas de bancar o projeto porque tem o salário do professor, os equipamentos, a manutenção. Na Baixada o Navega continua porque o NAMAN corre atrás de patrocínio, mas enquanto ele não vem, o prefeito Pedro Gouvêa afirmou que a prefeitura vai custear até que uma nova parceria seja firmada”, afirmou Mosquito.

Importância social

O Projeto Navega São Paulo é uma ação social que utiliza os esportes náuticos do remo, vela e canoagem como ferramenta de inclusão social para pessoas de qualquer idade.

Ao participar das aulas, cultiva-se não só a cultura náutica como também a integração social, consciência ecológica, espírito de equipe e cidadania. Além disso, os alunos aprendem noções básicas de marinharia, primeiros socorros e navegação e são capacitados para vagas de emprego em clubes e marinas.

É o caso do atual professor do curso em São Vicente, Rafael dos Santos, 26, que conheceu o Navega São Paulo aos 11 anos, quando morava no México 70, uma das áreas mais carentes de São Vicente.

“Foram divulgar o projeto na escola onde eu estudava e me interessei. Hoje não sei o que seria de mim se não fosse velejar. Entrei pra Marinha e conquistei oportunidades que só foram possíveis por causa deste programa. Deixar uma ideia como essa parada é tirar das pessoas a chance de novas escolhas”, acredita.

Na Baixada Santista, Cubatão, Praia Grande e Santos já ofereceram o projeto, mas atualmente apenas São Vicente e Praia Grande realizam o trabalho.

Segundo a assessoria de imprensa de Praia Grande, a manutenção de custeio do programa por lá também é feita pela prefeitura.

Atualmente, estão matriculados cerca de 250 crianças, jovens e adultos com idade a partir de sete anos que participam das modalidades de vela e canoagem. O atendimento ocorre de segunda a sábado, das 8 às 17 horas.

Interessados em fazer parte das atividades podem entrar em contato pelo telefone 3592-3209. O pólo do Navega SP em Praia Grande situa-se dentro da Área de Lazer Ézio Dall’Acqua, o Portinho, na Rua Paulo Sérgio Garcia, 424, Bairro Sítio do Campo.